quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Adjetivo


Adjetivo from blog12cad

Recurso do Manual (Para)textos da Porto Editora 

Nome


Nome 1 from blog12cad
Recurso do manual Paratextos da Porto Editora 

Advérbio


Advérbios from blog12cad

Recurso do Manual (Para)Textos da Porto Editora

Constituintes da frase



Recurso do Manual (Para)Textos da Porto Editora

Formação de palavras


Formação de Palavras from blog12cad

Recurso do Manual (Para)textos da Porto Editora 

Frase ativa e frase passiva


Ativa passiva from blog12cad

Recurso do Manual (Para)textos - Porto Editora

Verbos


Recurso do Manual (Para)Textos da Porto Editora

Funções sintáticas


Funções sintáticas from blog12cad

Recurso da Manual (Para)textos da porto Editora

Formação de palavras - Composição


Pronominalização


Coordenação e subordinação


Orações coordenadas e subordinadas


Pronome pessoal em adjacência verbal


Pronominalização - Pronome pessoal em adjacência verbal from blog12cad

Recurso do manual Diálogos - Porto Editora

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Crónica

Programa Ler + caro
Tenho em casa pacotes de leite com um prazo de validade superior ao de certos manuais escolares

     Milhares de pessoas entregaram esta semana uma queixa na Provedoria da Justiça porque os manuais escolares mudam todos os anos e atingem preços exorbitantes. Realmente, as pessoas queixam-se de tudo. O facto de ser preciso adquirir manuais escolares diferentes todos os anos parece uma astúcia comercial mas é, na verdade, uma estratégia pedagógica: penaliza o repetente, obrigando-o a comprar novamente o livro do ano que acabou de reprovar, mas dá-lhe uma nova oportunidade, permitindo-lhe tentar a sorte com um livro diferente daquele que lhe causou tantas dificuldades. Por outro lado, o preço dos manuais é uma lição que o estudante aprende ainda antes de ter aberto o livro: fica a saber que ainda não estudou o suficiente para deixar de ser burlado por editoras gananciosas. Também funciona como um incentivo para permanecer na escola. O aluno sente que tem de dedicar-se ao estudo até deixar de ser parvo. 
     Neste momento, tenho em casa pacotes de leite com um prazo de validade superior ao de certos manuais escolares. Pessoalmente, estou convencido de que os livros duram demasiado. Se eu mandasse, os alunos teriam de comprar um livro novo todos os trimestres. O próprio acto de adquirir o livro constituiria metade do programa de estudos. Dirigindo-se à livraria de três em três meses para adquirir novos manuais actualizados, o estudante tomaria consciência da forma como o conhecimento científico se vai substituindo a si mesmo. Compreenderia a teoria de Thomas Kuhn sobre o modo como as revoluções científicas se sucedem sem nunca ter lido o livro. Eu, que li o livro, não o percebi bem - pelo menos tão bem como entenderia se tivesse de adquirir sucessivamente livros sobre a mesma matéria por causa de pequenas alterações. 
     Por outro lado, a aquisição constante de livros caros funciona, também, como uma experiência científica. Gastar centenas de euros em manuais todos os anos permite observar o efeito da privação de alimentos no organismo. Em muitas famílias, parte do dinheiro destinado à alimentação vai para os livros; a fome gera subnutrição; o aluno estuda os efeitos da subnutrição no manual de biologia e verifica-os no próprio corpo. Não é um roubo, é uma visita de estudo permanente. 


Ricardo Araújo Pereira, (Crónica publicada na VISÃO 1176, de 17 de setembro)